Ácidos Graxos e Glicerol

Esse post dará continuidade ao tema lipídeos.

Como citei no post anterior, “O que são lipídios?”, lipídios são formados principalmente por ácidos graxos e glicerol, logo, é necessário se conhecer melhor esses componentes e qual é a importância deles.

O armazenamento de lipídios é mais vantajoso se comparado ao de carboidratos, pois ao comparar massas de mesmo peso dos dois compostos perceberemos que a massa de lipídios resultará em mais energia, se metabolizada. Desse modo, armazenar lipídios compacta o tamanho das reservas em relação aos carboidratos.

Por isso, é importante conhecermos os principais constituintes dos lipídios e como ocorre a degradação e a metabolização desses.

A metabolização dos lipídios está intimamente ligada à via denominada Beta-oxidação e ao transporte feito por meio dos quilomicrons, por isso iremos abordar esses dois assuntos de maneira mais especifica em post futuros.

 

 a

Degradação de Triacilglicerol produz glicerol e ácidos graxos por meio da ação de lipases presentes nos adipócitos. A degradação dos triacilglicerol é importante, pois é outra forma de o organismo conseguir energia sem ser por meio de carboidratos e proteínas.

A degradação de lipídios é estimulada pela falta de oxalacetato uma das substancias que participa do ciclo de Krebs, isso ocorre quando não está sendo mais possível conseguir energia por meio dos carboidratos. Esse problema estimula a lipolise que irá contribuir para a síntese de corpos cetônicos, os quais podem ser usados como fonte de energia para tecidos como o cerebral e muscular.

1

Glicerol (1,2,3 propanotriol): é difícil de ser encontrado na sua forma “livre” nos animais, pois geralmente se encontra como um triglicerídeo combinado como, por exemplo, a ácidos graxos como os ácidos: oleico, palmítico e esteárico, pode ser encontrado também em óleos ou azeites como o de coco, dendê, soja, algodão e oliva, bem como em gorduras de animais como a banha de porco e sebo.

-Degradação: o glicerol não é reaproveitado pelos adipócitos, pois eles não têm glicerol quinase. No fígado o glicerol é convertido a glicerol 3-fosfato e transformado em diidroxiacetona fosfato, um intermediário da glicólise ou da gliconeogênese.

aaa

Ácidos Graxos:

-Degradação: os ácidos graxos são transportados pelo sangue acoplados à albumina (proteína solúvel), podendo ser utilizado por alguns tecidos, fígado e musculo principalmente, como fonte de energia. Sua degradação ocorre por meio de uma via especial que se processa no interior das mitocôndrias. Além disso, os peroxissomos também podem fazer a oxidação dos ácidos graxos, por meio de vias metabólicas semelhantes.

Para que os ácidos graxos sejam oxidados é necessário que eles sejam transformados em acil-Coa o qual possui uma ligação tioéster rica em energia. Essa reação ocorre principalmente por causa da participação da enzima acil-Coa sintetase e pela a carnitina, um composto sintetizado a partir de aminoácidos, o qual permite que o radical acila dos ácidos graxos atinja o interior da mitocôndria. O acil-Coa irá ser utilizado na beta-oxidação.

2

 

Referencial Bibliográfico

http://www.infoescola.com/compostos-quimicos/glicerina/

http://grupo11a-lcarnitina.blogspot.com.br/

http://www.revistaanalytica.com.br/ed_anteriores/26/art04.pdf

MARZZOCO, Anita; TORRES, Bayardo. Bioquímica Básica. 7 ed . Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s